Como diferenciar os tipos de infecções do trato urinário

  • outubro/2017
  • 5715 visualizações
  • Nenhum comentário

As infecções do trato urinário (ITU) surgem quando o sistema imunológico falha na defesa contra agentes patógenos instalados. Trata-se de uma das formas mais comuns de infecção bacteriana no corpo humano, predominantemente entre mulheres – cuja taxa de contágio é cinco vezes superior à dos homens. Relações sexuais, uso de espermicida, deficiência na hidratação e períodos prolongados sem urinar podem ser fatores que propiciam a proliferação de bactérias.

Pacientes que desenvolvem a ITU apresentam sintomas comuns como febre, náuseas, fadiga e suor. A confirmação do quadro infeccioso só acontece depois da realização da urocultura. “É a partir desse exame que podemos identificar a infecção, o tipo de abordagem e qual o antibiótico mais indicado”, explica William Wiegandt, médico formado pela Universidade Federal de Santa Catarina.

De acordo com Wiegandt, existem opções complementares para um diagnóstico mais preciso da infecção no trato urinário. “Em casos que o quadro se complica, ou que fatores de risco estejam envolvidos, pode-se optar pela hemocultura ou por exames de imagem, como a tomografia com contraste”, esclarece. A partir de exames assim, a equipe médica poderá delimitar a estratégia mais eficaz para combate a infecção.

Conheça os Programas de de Atualização em Medicina.

Tipos de infecções do trato urinário

A classificação do quadro clínico acontece a partir da localização anatômica da infecção. Se estiver no trato inferior, a infecção gera a cistite, pois envolve a bexiga. Já quando afeta a uretra, a infecção causa a chamada uretrite.

O problema pode ainda se manifestar no trato urinário superior, afetando a pelve renal, contagiando os rins e acarretando um caso de pielonefrite. Com a infecção instalada nestes órgãos, o paciente pode sofrer disúria e polaciúria, além de dor em flanco e ângulo costovertebral.

Fatores de risco devem ser observados na escolha da abordagem pelo profissional de saúde. Diabetes, gestação, imunossupressão, persistência dos sintomas por mais de sete dias antes do início do tratamento e resistência bacteriana são alguns pontos que, quando presentes, configuram uma ITU complicada. Não apenas porque são capazes de causar falência terapêutica, mas também pela chance de recorrência da infecção.

Quando atinge pacientes do sexo masculino, a ITU é sempre considerada complexa. Nesses casos, o quadro – de ascendência do agente patógeno através da uretra para os órgãos do trato urinário – e os sintomas são parecidos com aqueles que acometem mulheres. Entretanto, por serem mais raros, os diagnósticos de infecção no trato urinário masculino devem sempre ser respaldados por exames laboratoriais.

Redação Secad
Matéria por

Redação Secad

O melhor conteúdo sobre a sua especialidade.

Tele-Vendas

(51) 3025.2597

Tele-Vendas Liga

Para você

Informações

(51) 3025.2550