Três estratégias para prevenir as lacerações perineais

  • julho/2018
  • 10012 visualizações
  • Nenhum comentário
Lacerações perineais

Lacerações perineais sofridas durante o parto podem significar perda na qualidade de vida de muitas mulheres. Desde os primeiros dias, a dor pélvica causa desconforto, dificultando o contato com o recém-nascido tanto no colo como na amamentação. Se não tratados, esses sinais podem agravar o quadro da paciente, gerando dor pélvica crônica, além de dispareunia, disfunção sexual e distopias genitais.

No passado, durante os partos normais, a incidência de lacerações perineais do tipo posterior espontânea costumava ser alta, devido à realização de episiotomia ou perineotomia. Mas esse quadro vem mudando.

Confira mais sobre a atualização em Ginecologia e Obstetrícia.

“Nos últimos anos houve uma mudança de paradigma em que passamos de uma episiotomia de rotina para casos seletos, quando necessários”, explica o médico Sérgio Hacker Luz, especialista em ginecologia e obstetrícia. “O próprio procedimento mudou. É menos profundo e tem sido feito mais tardiamente. Seu reparo também é diferente.”

Um estudo de metanálise publicado em junho de 2017 na Biblioteca Cochrane – rede global independente de pesquisadores, profissionais, pacientes, cuidadores e pessoas interessadas em saúde – avaliou técnicas de proteção perineal envolvendo mais de 15 mil mulheres que optaram pelo parto normal. A revisão, que utilizou 22 ensaios, concluiu que 20% das puérperas apresentavam lacerações de segundo grau, que comprometem o plano muscular. Apenas cerca de 4,5% sofreram lacerações de terceiro e/ou quarto graus, consideradas graves.

Ainda que não sejam graves, as lacerações perineais tornam-se um desconforto para a paciente, que precisa se adaptar a uma nova rotina e deve contar com o mínimo de dor possível. Por isso, a meta de atuação obstétrica é manter a integridade perineal, evitando as lacerações graves e a consequente incontinência fecal.

A obstetrícia, aliás, conta com algumas técnicas perineais de manejo. “Os cuidados incluem técnicas para o delivramento do feto, massagem perineal, expertise para indicar a episiotomia nas pacientes que tenham um risco maior de laceração grave”, explica Luz.

Confira a seguir três técnicas para prevenção de lacerações perineais antes do parto. Elas podem contribuir com o que vem se chamando de parto humanizado.

Técnicas anteparto

  • Massagem perineal anteparto: consiste em um conjunto de técnicas de massagem perineal com óleos vegetais – os minerais podem provocar alergia. É utilizada como estratégia de proteção perineal.

 Técnicas intraparto

  • Hands-on: são técnicas que contêm o períneo durante o segundo período do trabalho de parto. Incluem massagem perineal intraparto, compressas mornas e manobra de Ritgen.
  • Hands-off: é um conjunto de técnicas de massagem e compressas quentes nas quais o assistente não realiza nenhum tipo de proteção perineal durante o segundo período do trabalho de parto.

tabela Prevenção da laceração perineal

A laceração perineal é um dos temas do novo ciclo do Programa de Atualização em Ginecologia e Obstetrícia (PROAGO), desenvolvido pelo Secad em parceria com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e profissionais consagrados. Os conteúdos são lançados a cada três meses e, ao fim de um ano, com o encerramento do ciclo, o inscrito pode receber um certificado de até 180 horas.

A seguir, confira a lista completa do 15º ciclo do Programa de Atualização em Ginecologia e Obstetrícia (PROAGO):

  • Histeroscopia ambulatorial e em centro cirúrgico
  • Manejo da doença trofoblástica gestacional
  • Obesidade mórbida e gestação
  • Pólipos endometriais
  • Prevenção da laceração perineal
  • Redução da incidência do câncer de mama
  • Antibioticoterapia em ginecologia e obstetrícia
  • Avaliação materno-fetal com Doppler – novos marcadores e sua utilização na prática clínica
  • Diagnóstico da falha de indução
  • Diagnóstico e tratamento das úlceras genitais femininas
  • Manejo das gestações gemelares com peso fetal discordante
  • Síndrome da bexiga hiperativa
  • Interpretação da cardiotocografia segundo as normas da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia de 2015
  • Laserterapia no trato genital inferior
  • O que o obstetra precisa saber sobre genética no seu dia-a-dia
  • Prevenção e rastreamento do câncer genital
  • Prolapso genital: recentes avanços
  • Abordagem da hemorragia no período puerperal
  • Contracepção no puerpério
  • Pré-eclâmpsia: novos critérios de diagnóstico e manejo atual
  • Rejuvenescimento genital
  • Ultrassonografia nas massas anexiais

Redação Secad
Matéria por

Redação Secad

O melhor conteúdo sobre a sua especialidade.

Tele-Vendas

(51) 3025.2597

Tele-Vendas Liga

Para você

Informações

(51) 3025.2550